Google+ Badge

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Mais da metade das unidades das faixas 2 e 3 do MCMV tem falhas de construção, diz CGU

Mais da metade das unidades das faixas 2 e 3 do MCMV tem falhas de construção, diz CGU: Relatório do início do ano também apontou problemas em 48,9% dos imóveis da faixa 1 do programa



MAIS DA METADE DAS UNIDADES HABITACIONAIS RESIDENCIAIS das faixas 2 e 3 do MCMV apresentam falhas de construção.


Ora, é um indício de que ocorreu malandragem na gestão e fiscalização dos recursos liberados pela CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, e demais bancos, em troca de que?

Fazer unidades habitacionais não exige nenhum conhecimento a mais que a ENGENHARIA BRASILEIRA não o possua. Só faz obra no país que apresente falhas, aqueles que não têm nenhum compromisso com o dinheiro público, a qualidade nos canteiros de obras no Brasil.

Ainda é de chorar, como engenheiro civil que sou em ler uma notícia lamentável dessas, em revista especializada em construção civil. Significa que o dinheiro necessário para a construção de unidades habitacionais de qualidade foi desviado de sua finalidade, e portanto, foi roubado dos cofres públicos.

Sabemos hoje que centenas de executivos de enormes empreiteiras corromperam e foram corrompidos nos licenciamentos ambientais, nos alvarás de construção, na guias de recolhimento junto ao INSS, nos cronogramas físico-financeiros, nas SAFADEZAS das medições de engenharia, nas licitações e nas propinas.

É vergonhoso para um país como o BRASIL não saber ainda como controlar e fiscalizar obras civis, de unidades habitacionais. É uma verdadeira irresponsabilidade do estado brasileiro através dos seus governos (federal, estadual e municipal) não ser capaz de ser idôneo na gestão da coisa pública, responsável pela gestão dos recursos públicos em obras espalhadas pelos quatro cantos de nossa sofrida nação.

ENFIM, CLEPTOCRACIA institucionalizada que nós contribuintes, cidadãos e população brasileira temos urgência de exterminar essa gente corrupta, picareta, vigarista, bandida, e covil de ladrões da pátria.

A notícia na íntegra, está abaixo por completo para quem quiser saber mais sobre os acontecimentos abordados rapidamente neste comentário.
Obrigado!
Engº José Antonio S. Gonçalves .'.

Estudo do Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) divulgou na última quarta-feira (17) mostra que 56,4% das unidades habitacionais das faixas 2 e 3 do Minha Casa Minha Vida (MCMV) apresentam falhas. A pesquisa teve como base avaliações executadas em 2015 e os empreendimentos ainda estão dentro do prazo de garantia, que pode chegar a cinco anos.

Os defeitos mais recorrentes foram infiltrações, falta de prumo (verticalidade de paredes e colunas) e de esquadros (se os planos medidos estão com ângulo reto), trincas e vazamentos. Na área externa, quase 20% dos beneficiários indicaram alagamentos, falhas na iluminação e falta de pavimentação.

Ainda assim, o nível de satisfação dos moradores das unidades fiscalizadas pelo CGU foi "Alto" para 33,1% dos casos e "Médio" para 47,2% dos casos. O relatório justifica a boa satisfação por conta da assistência oferecida pela Caixa Econômica Federal e pelas construtoras responsáveis.

Em relação às questões burocráticas, como formalização do contrato de financiamento e liberação dos recursos da Caixa, a avaliação foi satisfatória, devido às regulares análises técnica, jurídica e financeira dos agentes financeiros. Entre as exceções, está a falta de licença ambiental dos empreendimentos.

O relatório confirmou que os beneficiários se enquadram nas faixas de rendas do programa. O número de unidades habitacionais, por sua vez, não auxiliou na diminuição do déficit habitacional, mesmo tendo contribuído para que não retrocedesse. Entre 2009 a 2014, R$ 225,5 bilhões foram destinados a financiamentos de construções e/ou aquisições de aproximadamente três milhões de unidades habitacionais.

Entre as recomendações da CGU ao Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e ao Ministério das Cidades está a elaboração de um estudo que identifique as eventuais causas da reduzida demanda de alocação de recursos do fundo nas localidades, considerando que ainda há um déficit habitacional significante e baixa execução.

Foi orientado também a criação de painéis indicadores para controle de aspectos como construtoras com grandes registros de problemas, falhas recorrentes nas unidades habitacionais, causas comuns para atrasos de obras e quais as localidades com os maiores números de falhas. Os painéis irão auxiliar na avaliação dos empreendimentos e na diminuição de futuras falhas.

Para a Caixa, a recomendação foi de avaliar os procedimentos que envolvem as licenças ambientais dos empreendimentos que ainda não possuem. Já os agentes financeiros deverão ficar mais atentos aos extratos financeiros das famílias para assegurar o benefício àqueles que possuem as rendas familiares adequadas por faixa do programa.

O estudo foi realizado em 77 empreendimentos em 12 estados (Bahia, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe), em cerca de 2.166 contratos e 1.472 unidades habitacionais.

Posicionamento
Em nota, o Ministério das Cidades se defendeu, apontando que o relatório foi realizado conforme os dados coletados em 2015, antes das mudanças das regras da gestão atual, no início de 2017. As novas regras abordam aspectos como: empreendimentos menores com até 500 residências, ruas entre os edifícios, paisagismo, acessibilidade, critérios como proximidade de escolas, bancos e postos de correios, infraestrutura urbana básica e atendimento a municípios com menos de 50 mil habitantes.

Com as novas alterações, o ministro das Cidades, Bruno Araújo, afirma que o compromisso atual é solucionar problema relacionados a qualidade das unidades habitacionais já entregues, bem como o atendimento prioritário as pessoas que vivem em áreas de risco, idosos, famílias chefiadas por mulheres, pessoas com deficiência e famílias com bebês vítimas de microcefalia.

O ministro ainda destacou o envio de agentes financeiros para acompanhamento direto das obras, afim de garantir a execução das novas regras, a qualidade de vida e habitabilidade dos empreendimentos.



FONTE:  http://construcaomercado.pini.com.br/negocios-incorporacao-construcao/construcao/mais-da-metade-das-unidades-das-faixas-2-e-3-382608-1.aspx#.WZbs0csQYgg.linkedin


terça-feira, 15 de agosto de 2017

Como a China vai Influenciar Nosso Agronegócio?

FUTURO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E SUA IMPORTÂNCIA PARA A ECONOMIA BRASILEIRA.

Quais são as perspectivas do agronegócio brasileiro dentro do segundo maior mercado consumidor do mundo?
Assista a essa aula ministrada pelo Dr. José Carlos de Lima Júnior que é Especialista em Estrutura de Mercado e Planejamento Estratégico.


Como a China vai Influenciar Nosso Agronegócio?

FUTURO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E SUA IMPORTÂNCIA PARA A ECONOMIA BRASILEIRA.

Quais são as perspectivas do agronegócio brasileiro dentro do segundo maior mercado consumidor do mundo?
Assista a essa aula ministrada pelo Dr. José Carlos de Lima Júnior que é Especialista em Estrutura de Mercado e Planejamento Estratégico.


Capital Inicial ao vivo no João Rock 2017 - Que País é esse?

Capital Inicial ao vivo no João Rock 2017 - Que País é esse?
Show em Ribeirão Preto, SP.

Dinho Ouro Preto dedica a música 'que país é esse' a Moro que estava no ...

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato em
primeira instância, foi ovacionado na noite deste sábado (25) durante
show do Capital Inicial em Curitiba. A homenagem aconteceu pouco antes
da música “Que País é Esse”, momento em que o vocalista da banda, Dinho
Ouro Preto, dedicou a canção a ele.
“Eu sinto uma frustração muito
grande, não me sinto representado por ninguém. Eu gostaria que o Brasil
voltasse a ser governado pelas nossas mãos. Nós sempre dedicamos essa
música a envolvidos em corrupção. Poderia ser o Paulo Bernardo ou o
Eduardo Cunha, mas desta vez vamos dedicar a alguém que está aqui
assistindo, que é o juiz Sérgio Moro”, disse o vocalista do Capital
seguido por uma ovação de mais de um minuto da plateia.
Moro estava em um camarote do Teatro Positivo e agradeceu com sinal de reverência à plateia.

VÍDEO COMPLETO DA HOMENAGEM DE DINHO OURO PRETO AO JUIZ SÉRGIO MORO, NO SHOW DO CAPITAL INICIAL EM CURITIBA - PR

Capital Inicial - Que País é Esse? (Live at Rock in Rio 2011)

Durante a apresentação da banda brasileira Capital Inicial no Rock in
Rio, no dia 24 de setembro de 2011, o vocalista Dinho Ouro Preto fez
críticas diretas à políticos e principalmente ao presidente do Senado
Federal, José Sarney, dedicando a música "Que País é Esse?" à ele e ao
Congresso Nacional. Durante performance, a multidão iniciou um coro de
protesto contra Sarney, repetindo várias vezes: "Ei, Sarney, vai tomar
no cu!"

During the presentation of the Brazilian band Capital
Inicial at Rock in Rio, on September 24, 2011, vocalist Dinho Ouro Preto
made direct criticism to politicians and, especially, the President of
the Senate, José Sarney, dedicating the song "Que País É Esse?" to him
and to the National Congress. During the performance, the crowd began a
chorus of protest against Sarney, repeating several times: "Hey, Sarney,
go fuck yourself."



_ O Rock in Rio é considerado o maior
festival de música do mundo, tendo uma presença de 700.000 pessoas na
edição de 2011, realizada no Rio de Janeiro, Brasil. Todos os shows
foram trasmitidos ao vivo por dezenas de canais de televisão, pelo
YouTube e outros portais de internet, atingindo cerca de meio bilhão de
pessoas em quase 200 países.

_ Rock in Rio is considered to be
the largest music festival in the world with an attendance of 700,000
people in the 2011 edition, held in Rio de Janeiro, Brazil. All shows
were broadcast live by dozens of TV channels, by YouTube and other
Internet portals, reaching about a half billion people in nearly 200
countries.


_ José Sarney é um politico brasileiro, que serviu
como Presidente da República de 1985 à 1990. Sarney e sua família
adquiriram enorme influência sobre a vida pública do estado do Maranhão,
sendo atualmente considerado o maior dos oligarcas brasileiros. Sarney
também enfrentou múltiplas alegações de nepotismo e corrupção durante
sua carreira pública quase que ininterrupta desde 1958, sendo atualmente
a pessoa que mais tempo ocupou um lugar no Congresso Nacional. Desde
2009 ele é Presidente do Senado, o que a revista The Economist
classificou como uma "vitória do semi-feudalismo".

_ José Sarney
is a Brazilian politician who served as President of the Republic from
1985 to 1990. Sarney and his family have acquired enormous influence on
public life in the state of Maranhão, and is currently considered the
greatest of Brazilian oligarchs. Sarney also faced multiple allegations
of nepotism and corruption during his almost uninterrupted public career
since 1958, currently being the longest-standing member of the National
Congress. Since 2009 he is President of the Senate, what The Economist
magazine labeled as a "victory of semi-feudalism."


_ "Que
País é Esse?" é uma música composta pelo músico brasileiro Renato Russo e
lançada pela banda Legião Urbana em 1987, durante o governo Sarney.
Desde então a canção tornou-se símbolo da luta contra a corrupção no
Brasil, sendo inclusive um dos lemas do processo de impeachment que
derrubou o presidente Fernando Collor, em 1992.

_ "Que País É
Esse?" (Which Country Is This?) is a song written by Brazilian musician
Renato Russo, released by Legião Urbana in 1987, during the Sarney
administration. Since then, the song became a symbol of the fight
against corruption in Brazil, and was one of the mottos of the
impeachment process that brought down President Fernando Collor in 1992.