Google+ Badge

domingo, 12 de junho de 2016

CONSTRUÇÃO CIVIL As 10 principais áreas de atuação de um engenheiro civil

As 10 principais áreas de atuação de um engenheiro civil

banner
Muitos leigos e até mesmo recém-ingressos no curso de engenharia civil acreditam que a profissão se trata apenas de construção de prédios, grandes obras e inúmeros cálculos estruturais, entretanto, o(a) curso/profissão é muito mais extenso(a), mostrando um grande leque de possibilidades para os estudantes e formados nesse curso.
Ao término do curso, os recém-engenheiros já estão preparados para a diversos tipos de situações das mais amplas áreas de atuação. Além disso, existe uma grande variedade de pós-graduações, mestrados, doutorados, algumas no Brasil, outras no exterior, que mostram a grande quantidade de tarefas que o engenheiro civil é capaz de fazer e podem colaborar com o crescimento de diversas áreas.
Com isso, a seguir pode-se observar algumas das especializações e ramificações mais conhecidas e procuradas pelos estudantes e profissionais de Engenharia Civil.
 1. Construção civil
 Uma das mais clássicas, esse tipo de engenheiro trabalha principalmente com os materiais de construção e processos construtivos, aplicando-os em obras e procurando o desenvolvimento das mesmas para melhor atender o mercado.
blog01
 2. Materiais de Construção
Esse engenheiro busca basicamente estudar as características dos materiais utilizados na construção civil e a racionalização de suas aplicações, além de procurar buscar novas tecnologias que atendem melhor o mercado e otimizando a construção.blog02
 3. Cálculo estrutural
Esse engenheiro trabalha geralmente em escritório e aliado ao engenheiro de construção civil, buscando realizar cálculos que atinjam os requisitos de resistência dos materiais, teoria das estruturas, estruturas de concreto armado e protendido, estruturas metálicas, estruturas de madeira e pontes, buscando sempre a segurança da estrutura. 
blog03Existem especializações nessa área, com linhas de pesquisa no contexto do comportamento dos materiais empregados e dos sistemas estruturais, formulando modelos constitutivos para o concreto e outros materiais, por exemplo. 
Além disso, há estudos o comportamento de estruturas de edifícios altos, sistemas estruturais em madeira, aço, concreto armado e protendido, concreto pré-moldado e argamassa armada, sem contar naturalmente, as experimentações numéricas com os elementos finitos, diferenças finitas e elementos de contorno, entre outros campos estruturais, buscando inovações e segurança da estrutura.
 4. Geotecnia
O engenheiro geotécnico trabalha com a mecânica dos solos, com a interferência de obras de infra-estrutura de qualquer natureza, ou seja, escavações, obras de fundações, movimentações de terras, barragens de terra, estabilidade de taludes, sistemas de informação geográfica e etc.
blog04
 5. Saneamento
blog05Esse tipo de engenheiro busca explorar o uso da água, dos projetos e das obras de saneamento básico e de saneamento geral (água, esgoto, resíduos e drenagem), tais como sistemas de abastecimento de água, de esgotos sanitários, do gerenciamento do lixo urbano e dos seus sistemas de tratamento, além do uso de água para saúde pública, controle e remediação ambiental, gestão ambiental e licenciamento ambiental.

6. Ambiental (Especialização)
Com a grande importância dada ao meio ambiente nos tempos atuais, é natural que haja uma grande preocupação ambiental relacionada a engenharia civil e suas diversas áreas, pois, por exemplo, a construção civil é uma das áreas que mais gera resíduos sólidos jogados no meio ambiente, além disso, a maioria das obras, seja de qual cunho for, atinge diretamente a natureza, o que se faz necessário um estudo para reduzir os impactos negativos.
Atingindo esse ponto, entra o engenheiro ambiental, apesar de já existir graduações focadas nisso, também se pode chegar nessa área através de especialização. 
O Engenharia Ambiental, tem função social e de contribuir para a redução dos efeitos adversos das atividades produtivas nos meios físicos e biológicos, buscando implantar modelos de desenvolvimento econômico, tanto na prevenção, quanto na minimização dos impactos que a atividade humana provoca no meio ambiente, estudando a caracterização ambiental, a análise de suscetibilidades e vocações naturais do ambiente, elaboração de estudos de impactos ambientais, proposição, implementação e monitoramento de medidas mitigadoras ou de ações ambientais, tanto na área urbana quanto na rural.
blog06
 7. Hidráulica
O engenheiro hidráulico é aquele que aplica os princípios da mecânica dos fluidosblog07buscando envolver planejamento, projeto e construção de obras de aproveitamento hídrico, abrangendo tanto os sistemas urbanos (esgotos, drenagem, abastecimento d’água, irrigação), industriais e prediais, quanto à irrigação, o controle de enchentes e os aproveitamentos hidroenergéticos, obras portuárias, de barragens e de hidrovias. 
Esse engenheiro está muito ligado aos ramos de saneamento e ambiental.
 8. Estradas e transportes
Uma das maiores áreas da engenharia civil que podem ser seguidas, possui muitas ramificações.  O engenheiro de estradas e transportes busca a construção, manutenção, traçado de estradas, pavimentos de rodovias, planejamento de sistemas de transportes, gestão e operação de redes rodoferroviárias, portos, aeroportos, além de logística, como o estudo do tráfego com vistas a otimização da capacidade de tráfego, visando reduzir congestionamentos.
blog08
 9. Produção (Especialização)
No caso, falaremos do Engenheiro Civil especializado em produção, pois existe a formação em Engenharia de Produção Civil, apesar dos dois serem similares. Esse engenheiro dá ênfase aos procedimentos de fabricação industrial, aos métodos e sequências de produção industrial, aos métodos e sequências de produção industrial em geral e ao produto industrializado, seus serviços afins e correlatos, além de dirige-se tanto para a capacitação em projetos e execução como para o aumento da produtividade e da qualidade dos produtos e serviços gerados no processo de seu desdobramento.
blog09
 10. Segurança do Trabalho
Área de extrema importância, o Engenheiro de Segurança do Trabalho tem a responsabilidade de zelar pela saúde e pela integridade física do trabalhador, reduzindo ou eliminando o risco de acidentes no ambiente de trabalho, elaborando, administrando e fiscalizando planos de prevenção de acidentes ambientais através de atividades referentes à proteção, segurança e higiene do trabalhador, a segurança dos locais de trabalho, das instalações e dos equipamentos, controle de riscos e da poluição, equipamentos de proteção e combate a incêndios, controle e eliminação de agentes agressivos ao meio ambiente e ao trabalhador (calor, ruído, poluentes, radiações, agentes químicos e biológicos) equipamentos de proteção individual (EPI´s) e coletiva (EPC´s), treinamento e conscientização do trabalhador para os assuntos de segurança, entre outras atribuições. Ele também orienta a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) das companhias.
blog10
Acresça-se a isso que, a formação de um engenheiro civil também capacita aos profissionais a trabalharem como gestores e administradores, por isso é comum vermos engenheiros em cargos administrativos de empresas. 
Essas foram apenas dez das várias áreas possíveis de atuação do Engenheiro Civil, mostrando o quanto a profissão é bem mais ampla do que normalmente se imagina.
Autor: Renan Marinho
Fontes:

As 10 principais áreas de atuação de um engenheiro civil. Conheça e saiba mais sobre essa profissão

As 10 principais áreas de atuação de um engenheiro civil

banner
Muitos leigos e até mesmo recém-ingressos no curso de engenharia civil acreditam que a profissão se trata apenas de construção de prédios, grandes obras e inúmeros cálculos estruturais, entretanto, o(a) curso/profissão é muito mais extenso(a), mostrando um grande leque de possibilidades para os estudantes e formados nesse curso.
Ao término do curso, os recém-engenheiros já estão preparados para a diversos tipos de situações das mais amplas áreas de atuação. Além disso, existe uma grande variedade de pós-graduações, mestrados, doutorados, algumas no Brasil, outras no exterior, que mostram a grande quantidade de tarefas que o engenheiro civil é capaz de fazer e podem colaborar com o crescimento de diversas áreas.
Com isso, a seguir pode-se observar algumas das especializações e ramificações mais conhecidas e procuradas pelos estudantes e profissionais de Engenharia Civil.
 1. Construção civil
 Uma das mais clássicas, esse tipo de engenheiro trabalha principalmente com os materiais de construção e processos construtivos, aplicando-os em obras e procurando o desenvolvimento das mesmas para melhor atender o mercado.
blog01
 2. Materiais de Construção
Esse engenheiro busca basicamente estudar as características dos materiais utilizados na construção civil e a racionalização de suas aplicações, além de procurar buscar novas tecnologias que atendem melhor o mercado e otimizando a construção.blog02
 3. Cálculo estrutural
Esse engenheiro trabalha geralmente em escritório e aliado ao engenheiro de construção civil, buscando realizar cálculos que atinjam os requisitos de resistência dos materiais, teoria das estruturas, estruturas de concreto armado e protendido, estruturas metálicas, estruturas de madeira e pontes, buscando sempre a segurança da estrutura. 
blog03Existem especializações nessa área, com linhas de pesquisa no contexto do comportamento dos materiais empregados e dos sistemas estruturais, formulando modelos constitutivos para o concreto e outros materiais, por exemplo. 
Além disso, há estudos o comportamento de estruturas de edifícios altos, sistemas estruturais em madeira, aço, concreto armado e protendido, concreto pré-moldado e argamassa armada, sem contar naturalmente, as experimentações numéricas com os elementos finitos, diferenças finitas e elementos de contorno, entre outros campos estruturais, buscando inovações e segurança da estrutura.
 4. Geotecnia
O engenheiro geotécnico trabalha com a mecânica dos solos, com a interferência de obras de infra-estrutura de qualquer natureza, ou seja, escavações, obras de fundações, movimentações de terras, barragens de terra, estabilidade de taludes, sistemas de informação geográfica e etc.
blog04
 5. Saneamento
blog05Esse tipo de engenheiro busca explorar o uso da água, dos projetos e das obras de saneamento básico e de saneamento geral (água, esgoto, resíduos e drenagem), tais como sistemas de abastecimento de água, de esgotos sanitários, do gerenciamento do lixo urbano e dos seus sistemas de tratamento, além do uso de água para saúde pública, controle e remediação ambiental, gestão ambiental e licenciamento ambiental.

6. Ambiental (Especialização)
Com a grande importância dada ao meio ambiente nos tempos atuais, é natural que haja uma grande preocupação ambiental relacionada a engenharia civil e suas diversas áreas, pois, por exemplo, a construção civil é uma das áreas que mais gera resíduos sólidos jogados no meio ambiente, além disso, a maioria das obras, seja de qual cunho for, atinge diretamente a natureza, o que se faz necessário um estudo para reduzir os impactos negativos.
Atingindo esse ponto, entra o engenheiro ambiental, apesar de já existir graduações focadas nisso, também se pode chegar nessa área através de especialização. 
O Engenharia Ambiental, tem função social e de contribuir para a redução dos efeitos adversos das atividades produtivas nos meios físicos e biológicos, buscando implantar modelos de desenvolvimento econômico, tanto na prevenção, quanto na minimização dos impactos que a atividade humana provoca no meio ambiente, estudando a caracterização ambiental, a análise de suscetibilidades e vocações naturais do ambiente, elaboração de estudos de impactos ambientais, proposição, implementação e monitoramento de medidas mitigadoras ou de ações ambientais, tanto na área urbana quanto na rural.
blog06
 7. Hidráulica
O engenheiro hidráulico é aquele que aplica os princípios da mecânica dos fluidosblog07buscando envolver planejamento, projeto e construção de obras de aproveitamento hídrico, abrangendo tanto os sistemas urbanos (esgotos, drenagem, abastecimento d’água, irrigação), industriais e prediais, quanto à irrigação, o controle de enchentes e os aproveitamentos hidroenergéticos, obras portuárias, de barragens e de hidrovias. 
Esse engenheiro está muito ligado aos ramos de saneamento e ambiental.
 8. Estradas e transportes
Uma das maiores áreas da engenharia civil que podem ser seguidas, possui muitas ramificações.  O engenheiro de estradas e transportes busca a construção, manutenção, traçado de estradas, pavimentos de rodovias, planejamento de sistemas de transportes, gestão e operação de redes rodoferroviárias, portos, aeroportos, além de logística, como o estudo do tráfego com vistas a otimização da capacidade de tráfego, visando reduzir congestionamentos.
blog08
 9. Produção (Especialização)
No caso, falaremos do Engenheiro Civil especializado em produção, pois existe a formação em Engenharia de Produção Civil, apesar dos dois serem similares. Esse engenheiro dá ênfase aos procedimentos de fabricação industrial, aos métodos e sequências de produção industrial, aos métodos e sequências de produção industrial em geral e ao produto industrializado, seus serviços afins e correlatos, além de dirige-se tanto para a capacitação em projetos e execução como para o aumento da produtividade e da qualidade dos produtos e serviços gerados no processo de seu desdobramento.
blog09
 10. Segurança do Trabalho
Área de extrema importância, o Engenheiro de Segurança do Trabalho tem a responsabilidade de zelar pela saúde e pela integridade física do trabalhador, reduzindo ou eliminando o risco de acidentes no ambiente de trabalho, elaborando, administrando e fiscalizando planos de prevenção de acidentes ambientais através de atividades referentes à proteção, segurança e higiene do trabalhador, a segurança dos locais de trabalho, das instalações e dos equipamentos, controle de riscos e da poluição, equipamentos de proteção e combate a incêndios, controle e eliminação de agentes agressivos ao meio ambiente e ao trabalhador (calor, ruído, poluentes, radiações, agentes químicos e biológicos) equipamentos de proteção individual (EPI´s) e coletiva (EPC´s), treinamento e conscientização do trabalhador para os assuntos de segurança, entre outras atribuições. Ele também orienta a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) das companhias.
blog10
Acresça-se a isso que, a formação de um engenheiro civil também capacita aos profissionais a trabalharem como gestores e administradores, por isso é comum vermos engenheiros em cargos administrativos de empresas. 
Essas foram apenas dez das várias áreas possíveis de atuação do Engenheiro Civil, mostrando o quanto a profissão é bem mais ampla do que normalmente se imagina.
Autor: Renan Marinho
Fontes:

ENGEFROM ENGENHARIA E VENDAS COMERCIAIS: A importância do Aço na Indústria da construção ci...

ENGEFROM ENGENHARIA E VENDAS COMERCIAIS: A importância do Aço na Indústria da construção ci...: O Desempenho da Construção em Aço Segundo pesquisa realizada pelo Centro Brasileiro da Construção em Aço, a construção civil reconhece ...

O Desempenho da Construção em Aço

Segundo pesquisa realizada pelo Centro Brasileiro da Construção em Aço, a construção civil reconhece hoje a importância daquele setor e os benefícios por ele proporcionados, como o ganho de produtividade, a rapidez de execução e menores impactos urbanos e ambientais com a redução de resíduos em canteiros de obras.
Para melhor conhecer a dinâmica do setor da construção metálica, sua capacidade produtiva e atuação, o Centro Brasileiro da Construção em Aço (CBCA) iniciou em 2011 pesquisas com fabricantes, em parceria com a Associação Brasileira da Construção Metálica (Abcem).
O primeiro segmento a ser abordado, em 2011, foi o de estruturas de aço. Depois vieram as pesquisas das empresas que fabricam telhas de aço e de steel deck, no ano-base de 2012, e de perfis galvanizados para light steel frame (LSF) e drywall no ano-base de 2013. Realizada pela Criactive Assessoria Comercial, a última pesquisa, divulgada em outubro de 2015, mostra o desempenho da construção em aço em todos esses segmentos.
ESTRUTURAS DE AÇO
As informações coletadas indicam que o setor de estruturas de aço tem participado de forma ativa na economia brasileira nos últimos anos. Apesar do cenário macroeconômico não muito favorável, foi mantida a estabilidade em relação ao volume de produção, empregando por volta de 30 mil trabalhadores e faturando 8,9 bilhões de reais por ano; e, apesar da crise já desenhada em 2014, os fabricantes mostravam se otimistas, prevendo crescimento de 5% para 2015.
Desde 2011 as pesquisas no segmento de estruturas de aço vêm sendo aperfeiçoadas e o número de participantes ampliado, para que os resultados se aproximem da realidade do mercado. Para a pesquisa divulgada em 2015 foram ouvidas 255 empresas de várias partes do país, respondendo questões sobre volume de produção, capacidade produtiva instalada, tipos de certificações, número de funcionários, terceirização, faturamento bruto anual e expectativa de crescimento.
A região Sudeste concentra o maior número de fabricantes de estruturas de aço (65,5%), sendo que o estado de São Paulo detém 42% deste total. Depois vêm as regiões Sul (18,4%), Nordeste (7,8%), Centro Oeste (6,3%) e Norte (2%). Vale destacar que a primeira pesquisa feita com fabricantes de estruturas de aço teve a participação de 204 empresas que atuavam em outros setores, além da construção civil. Na segunda, o número de participantes caiu para 157, mas foram consideradas apenas companhias do setor da construção, parâmetro que permanece.
A capacidade produtiva instalada no segmento de estruturas de aço em 2014 foi de 1,966 milhão de toneladas, enquanto a produção total das empresas pesquisadas chegou a 1,395 milhão de toneladas. Desse universo, 88% concentra-se na faixa de produção de até 10 mil toneladas/ano. As estruturas de grande porte, as construções industriais e obras especiais foram responsáveis por 76% da produção total.
O Desempenho da Construção em Aço

Segundo a pesquisa, considerando a média do faturamento bruto anual por porte de empresa, uma vez que as participantes não divulgaram seu faturamento exato, estima se que elas faturaram cerca de 8,9 bilhões de reais em 2014. Com base nesses dados, para 2015 as empresas mostraram boas expectativas de crescimento - 98% projetaram movimento nesse sentido, sendo que 66% pretendiam atingir até 5%.
O Desempenho da Construção em Aço

TELHAS DE AÇO E DE STEEL DECK
O mercado brasileiro de coberturas é composto pelos segmentos de telhas de fibrocimento, cerâmica, aço, concreto, alumínio, ondulada betuminosa e PVC. Seu tamanho total em 2014, segundo dados da pesquisa, foi estimado em 659 milhões de metros quadrados, sendo que as telhas de aço e fôrma colaborante steel deck representaram 18,9%, com cerca de 124 milhões de metros quadrados. Sua atuação nesse mercado aumentou mais de 6% desde 2012, ano-base da primeira pesquisa, quando foram ouvidas 39 empresas (em 2013 o universo foi de 50 e na última este número subiu para 52).
Dentro desse universo, a capacidade produtiva instalada foi de 669,9 mil toneladas em 2014. Considerando as empresas que informaram tanto o volume de produção como a capacidade produtiva nos três anos de pesquisa, pode-se observar que houve pequeno aumento do nível de utilização da capacidade a cada ano: 53% em 2012, 54% em 2013 e 58% em 2014. Com base nesse desempenho, 98% dessas empresas tinham expectativa de crescer até 10%.
Apesar de as empresas participantes da pesquisa não terem divulgado seu faturamento exato, estima se que tanto os fabricantes de telhas como os de steel deck faturaram aproximadamente 1,3 bilhão de reais em 2014, levando em consideração a média do faturamento bruto anual por porte de empresa.
Considerando uma taxa de aço de 4,75 kg/ m², pode se estimar que o consumo de aço para telhas em 2014 ficou próximo de 590 mil toneladas. A taxa foi calculada através da média das densidades das espessuras de telhas em relação ao percentual de participação de cada uma delas. Como nos últimos anos houve uma variação do mix, a taxa anterior de 5 kg/ m² passou a 4,75 kg/m² neste ano.
O Desempenho da Construção em Aço

GALVANIZADOS
Há dois anos, o CBCA iniciou também, junto com o Instituto de Metais Não Ferrosos (ICZ), pesquisas com empresas que fabricam perfis galvanizados para light steel frame (LSF) e drywall. Em sua segunda edição, a pesquisa indica que o segmento tem mostrado capacidade para atender à demanda em todo o país, apesar da concentração de empresas na região Sudeste (62%), sendo que 42% desse total está no estado de São Paulo.
A pesquisa também mostra que os fabricantes de perfis para LSF e drywall produziram, juntos, cerca de 144 mil toneladas, empregaram 1,6 mil trabalhadores e faturaram aproximadamente 400 milhões de reais em 2014. E estão otimistas com o desenvolvimento do segmento, pois o momento econômico também traz uma série de boas oportunidades, uma vez que emerge a necessidade de as empresas e as obras incorporarem inovações tecnológicas e soluções industrializadas para aumentar sua eficiência, produtividade e lucratividade.
O drywall, por exemplo, tem sido utilizado em diferentes tipologias, como edifícios comerciais e residenciais (alto e médio alto padrões), empreendimentos industriais e shoppings, alcançando uma participação de 44% nos imóveis comerciais. E o LSF desponta como solução industrializada que vem conquistando espaço tanto em obras residenciais como nas comerciais.
A primeira pesquisa com as empresas que fabricam perfis galvanizados para LSF e drywall no Brasil foi realizada em 2014 (ano-base 2013), com a participação de 28 empresas. Esta última, feita pelo CBCA em parceria com o ICZ, consultou 29 empresas.
O Desempenho da Construção em Aço
Reportagem: Cida Paiva
FONTE: CBCA - http://www.cbca-acobrasil.org.br/site/

DIVULGAÇÃO DE NOTÍCIAS DO USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL 

ENGEFROM ENGENHARIA - Escritório técnico prestação de serviços em projetos, cálculos e dimensionamentos, planejamento de obras e viabilidade técnica e econômica de investimentos na industria da construção civil brasileira. Com atuação em Engenharia Civil, Engenharia Urbana, Geoprocessamento e Geotecnologias, com mais de 35 anos de experiência e tradição no trato da engenharia.
HOME OFFICE - HOME PAGE: Conheça nosso trabalho e converse conosco:

A importância do Aço na Indústria da construção civil brasileira. Produtividade, eficiência e obra limpa

O Desempenho da Construção em Aço

Segundo pesquisa realizada pelo Centro Brasileiro da Construção em Aço, a construção civil reconhece hoje a importância daquele setor e os benefícios por ele proporcionados, como o ganho de produtividade, a rapidez de execução e menores impactos urbanos e ambientais com a redução de resíduos em canteiros de obras.
Para melhor conhecer a dinâmica do setor da construção metálica, sua capacidade produtiva e atuação, o Centro Brasileiro da Construção em Aço (CBCA) iniciou em 2011 pesquisas com fabricantes, em parceria com a Associação Brasileira da Construção Metálica (Abcem).
O primeiro segmento a ser abordado, em 2011, foi o de estruturas de aço. Depois vieram as pesquisas das empresas que fabricam telhas de aço e de steel deck, no ano-base de 2012, e de perfis galvanizados para light steel frame (LSF) e drywall no ano-base de 2013. Realizada pela Criactive Assessoria Comercial, a última pesquisa, divulgada em outubro de 2015, mostra o desempenho da construção em aço em todos esses segmentos.
ESTRUTURAS DE AÇO
As informações coletadas indicam que o setor de estruturas de aço tem participado de forma ativa na economia brasileira nos últimos anos. Apesar do cenário macroeconômico não muito favorável, foi mantida a estabilidade em relação ao volume de produção, empregando por volta de 30 mil trabalhadores e faturando 8,9 bilhões de reais por ano; e, apesar da crise já desenhada em 2014, os fabricantes mostravam se otimistas, prevendo crescimento de 5% para 2015.
Desde 2011 as pesquisas no segmento de estruturas de aço vêm sendo aperfeiçoadas e o número de participantes ampliado, para que os resultados se aproximem da realidade do mercado. Para a pesquisa divulgada em 2015 foram ouvidas 255 empresas de várias partes do país, respondendo questões sobre volume de produção, capacidade produtiva instalada, tipos de certificações, número de funcionários, terceirização, faturamento bruto anual e expectativa de crescimento.
A região Sudeste concentra o maior número de fabricantes de estruturas de aço (65,5%), sendo que o estado de São Paulo detém 42% deste total. Depois vêm as regiões Sul (18,4%), Nordeste (7,8%), Centro Oeste (6,3%) e Norte (2%). Vale destacar que a primeira pesquisa feita com fabricantes de estruturas de aço teve a participação de 204 empresas que atuavam em outros setores, além da construção civil. Na segunda, o número de participantes caiu para 157, mas foram consideradas apenas companhias do setor da construção, parâmetro que permanece.
A capacidade produtiva instalada no segmento de estruturas de aço em 2014 foi de 1,966 milhão de toneladas, enquanto a produção total das empresas pesquisadas chegou a 1,395 milhão de toneladas. Desse universo, 88% concentra-se na faixa de produção de até 10 mil toneladas/ano. As estruturas de grande porte, as construções industriais e obras especiais foram responsáveis por 76% da produção total.
O Desempenho da Construção em Aço

Segundo a pesquisa, considerando a média do faturamento bruto anual por porte de empresa, uma vez que as participantes não divulgaram seu faturamento exato, estima se que elas faturaram cerca de 8,9 bilhões de reais em 2014. Com base nesses dados, para 2015 as empresas mostraram boas expectativas de crescimento - 98% projetaram movimento nesse sentido, sendo que 66% pretendiam atingir até 5%.
O Desempenho da Construção em Aço

TELHAS DE AÇO E DE STEEL DECK
O mercado brasileiro de coberturas é composto pelos segmentos de telhas de fibrocimento, cerâmica, aço, concreto, alumínio, ondulada betuminosa e PVC. Seu tamanho total em 2014, segundo dados da pesquisa, foi estimado em 659 milhões de metros quadrados, sendo que as telhas de aço e fôrma colaborante steel deck representaram 18,9%, com cerca de 124 milhões de metros quadrados. Sua atuação nesse mercado aumentou mais de 6% desde 2012, ano-base da primeira pesquisa, quando foram ouvidas 39 empresas (em 2013 o universo foi de 50 e na última este número subiu para 52).
Dentro desse universo, a capacidade produtiva instalada foi de 669,9 mil toneladas em 2014. Considerando as empresas que informaram tanto o volume de produção como a capacidade produtiva nos três anos de pesquisa, pode-se observar que houve pequeno aumento do nível de utilização da capacidade a cada ano: 53% em 2012, 54% em 2013 e 58% em 2014. Com base nesse desempenho, 98% dessas empresas tinham expectativa de crescer até 10%.
Apesar de as empresas participantes da pesquisa não terem divulgado seu faturamento exato, estima se que tanto os fabricantes de telhas como os de steel deck faturaram aproximadamente 1,3 bilhão de reais em 2014, levando em consideração a média do faturamento bruto anual por porte de empresa.
Considerando uma taxa de aço de 4,75 kg/ m², pode se estimar que o consumo de aço para telhas em 2014 ficou próximo de 590 mil toneladas. A taxa foi calculada através da média das densidades das espessuras de telhas em relação ao percentual de participação de cada uma delas. Como nos últimos anos houve uma variação do mix, a taxa anterior de 5 kg/ m² passou a 4,75 kg/m² neste ano.
O Desempenho da Construção em Aço

GALVANIZADOS
Há dois anos, o CBCA iniciou também, junto com o Instituto de Metais Não Ferrosos (ICZ), pesquisas com empresas que fabricam perfis galvanizados para light steel frame (LSF) e drywall. Em sua segunda edição, a pesquisa indica que o segmento tem mostrado capacidade para atender à demanda em todo o país, apesar da concentração de empresas na região Sudeste (62%), sendo que 42% desse total está no estado de São Paulo.
A pesquisa também mostra que os fabricantes de perfis para LSF e drywall produziram, juntos, cerca de 144 mil toneladas, empregaram 1,6 mil trabalhadores e faturaram aproximadamente 400 milhões de reais em 2014. E estão otimistas com o desenvolvimento do segmento, pois o momento econômico também traz uma série de boas oportunidades, uma vez que emerge a necessidade de as empresas e as obras incorporarem inovações tecnológicas e soluções industrializadas para aumentar sua eficiência, produtividade e lucratividade.
O drywall, por exemplo, tem sido utilizado em diferentes tipologias, como edifícios comerciais e residenciais (alto e médio alto padrões), empreendimentos industriais e shoppings, alcançando uma participação de 44% nos imóveis comerciais. E o LSF desponta como solução industrializada que vem conquistando espaço tanto em obras residenciais como nas comerciais.
A primeira pesquisa com as empresas que fabricam perfis galvanizados para LSF e drywall no Brasil foi realizada em 2014 (ano-base 2013), com a participação de 28 empresas. Esta última, feita pelo CBCA em parceria com o ICZ, consultou 29 empresas.
O Desempenho da Construção em Aço
Reportagem: Cida Paiva
FONTE: CBCA - http://www.cbca-acobrasil.org.br/site/

DIVULGAÇÃO DE NOTÍCIAS DO USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL 

ENGEFROM ENGENHARIA - Escritório técnico prestação de serviços em projetos, cálculos e dimensionamentos, planejamento de obras e viabilidade técnica e econômica de investimentos na industria da construção civil brasileira. Com atuação em Engenharia Civil, Engenharia Urbana, Geoprocessamento e Geotecnologias, com mais de 35 anos de experiência e tradição no trato da engenharia.
HOME OFFICE - HOME PAGE: Conheça nosso trabalho e converse conosco: